Pular para o conteúdo principal

Uma cega na varanda.

De que serve uma paisagem se não pode ser apreciada?
A cega perguntava.

Eu não soube o que lhe responder. 
Ela quando me olha nos olhos, preciso, por vezes, desviar o olhar. Ela via, mais do que muitos que sabem as cores com que me visto. Disse-me anos depois que pelo tom de voz na minha primeira palavra, eu sem querer, contava-lhe tudo. Que a minha luz é imensa. 
Que ela vê o branco no som dos meus sorrisos, que o azul está no som do meu desabafo e que o vermelho lhe incende o rosto quando lhe falo do André.
Mas é o preto que lhe invade o olhar, quando a tristeza que lhe fala por mim. 

Como vê as cores, se não sabe a ordem no arco-iris? 
O tempo é curto, sempre curto. Eu embarco nas palavras que me proferem, como os barcos nas ondas do mar, como um músico escorre numa pauta, eu tal como eles deixo-me ir naquilo que os outros me revelam, sou como a espuma que desliza na onda. 
Eu sinto, eu vou. Uma mãe será mãe, sem o saber ser. 

Já sei de que serve a paisagem! 
É para enganar o cansaço. Há quem se canse de sofrer, eu cansei-me de ver quem a vida estragava.
No dia em que ele morreu, pedi a Deus que me cegasse.
Desde esse dia que só vejo nos meus olhos o rosto dele.
Só variam as cores, essa depende sempre de quem me fala. 

E eu que cores mais lhe dou?
Menina, não queira saber tudo... Aproveite, viva e fale-me sempre da paisagem!

Só depois percebi a metáfora à vida. 
A vida serve para ser apreciada. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Civismo e bom senso.

Hoje presenciei um ligeiro acidente. Estava a chover, já passava das 17h, era de noite. Ia a correr e na direção oposta, alguém trava em cima da passadeira e o de trás bate-lhe. Instintivamente, rodo a cabeça no momento do estrondo, o condutor (alegado sinistrado) está a sair do automóvel a gritar com o condutor que lhe bateu e não mais de dez segundos depois sai a filha do primeiro condutor do banco de trás e agarra-se ao pai com medo, mas medo de que ele se passe da cabeça e comece uma cena de pancadaria. A mãe é a última a sair e nada faz, nada diz.   Se aquele acidente colocou em risco de vida a menina? A mim pareceu-me que não, mas como disse, rodei o rosto com o som do impacto. Pareceu e parece-me que era tudo apenas um grande aborrecimento. Realço que condeno a atitude do primeiro condutor. O pior podia ter acontecido assim que a menina saiu disparada do carro.  Se existisse civismo e bom-senso, em primeiro aquele pai não teria dito o asneiredo que disse, muito menos batido co…

Tenho dificuldade em fixar os meus sentimentos.

Como tal, aceito que também aconteça o inverso para comigo. Possivelmente, daí ter a fasquia tão alta, de como os outros me vêm. Gosto que me tabelem por cima, de sentir as exigências bem altas,  habituei-os e a mim mesma a isso e só assim sei viver, daí esforçar-me ao máximo. Mas ao olhar para o pano do avesso, tenho dissabores. Com situações que vão surgindo, o meu amor vai diminuindo por certas pessoas. Erro meu, penso eu que assim seja. Porque as expectativas fui eu que as criei, as ideias surgiram da minha cabeça, quando o amor, esse deve sair do meu peito para outro peito. E ultimamente, não que os desgostos sejam mais ou maiores, tenho pensado nisto. Dou comigo a gostar menos, a querer estar menos tempo na presença deste ou daquela. Porquê? Porque infelizmente, a força de vontade é menor, o esforço do outro é também ele diminuto e são poucos os motivos que me sobram para continuar a dedicar-me e até em alguns aspectos, esforçar-me.
Há alguns anos, fui totalmente diferente. Eu …

La La Land (porra para o amor).

Cidade das estrelas
Luzes da ribalta
Um palco cheio de luz
Uma plateia repleta
aplausos infindáveis.

Cai o pano.
Os sons ecoam apenas na minha memória.
O brilho e o esplendor é só fachada
Quando a porta oclui
Há muito que oculta
O silêncio engole-me.
E eu não aprendi a cuspir.

Sobro eu, o meu lápis
As folhas que em breve já não estarão em branco
Há ideias, muitos sonhos e demais ilusões
Há uma cabeça cheia de tudo
E um peito sem nada.

Há uma melodia maravilhosa no ar
E eu não tenho a quem dar o braço para dançar.
Sou só eu e um sonho persistente
Tudo venci, tudo ultrapassei
Foi persistência dizem uns e não teimosia.

Louca, perdida e assustada,
Só agora perto do fim
Sei que tudo o que tenho e escolhi
Não vale nada.