Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2007

Receita de ano novo.

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para…

Caminho de pincel.

Caminho de pincel por mim desenhado e enriquecido por ti meu doce tinteiro, ainda completo. Será que quando algum dos meus se for, para onde eu não sei, me restará somente o preto? Mas para mim, hoje tudo está diferente... Haverá melhor época do que a de Natal para me encontrar com a minha consciência e declarar-me em plenos pulmões ao alto que me redescubri como ateia? Sim, clara e sinceramente ateia. Encontro-me parante um texto que resolvi chamar-lhe o Dogma da Religião que me tem feito pensar mais do que devia, ou não...

DOGMA DA RELIGIÃO.

O Sr. Douglas Adams num discurso de uma palestra sua em Cambridge disse algo mais ou menos assim "A religião... tem no seu âmago algumas ideias a que chamamos sagradas ou santas, ou seja o que for. O que significa é o seguinte: "Aqui está uma ideia ou uma noção sobre a qual não nos é permitido falar mal; pura e simplesmente. Porquê? Porque não." Se alguém vota num partido com o qual não concordamos, somos livre de discuti-lo tanto …

Não afastes os teus olhos dos meus.

Quando dormes
E te esqueces
O que vês?
Tu quem és,
Quando eu voltar...
O que vais dizer?
Vou sentar no meu lugar.

Adeus.
Não afastes os teus olhos dos meus
Isolar para sempre este tempo
É tudo o que tenho para dar.

Quando acordas
Porque quem chamas tu?
Vou esperar
Eu vou ficar
Nos teus braços
Eu vou conseguir fixar
O teu ar
A tua surpresa

Adeus
Não afastes os teus olhos dos meus
Eu vou agarrar este tempo
E nunca mais largar

Adeus
Não afastes os teus braços dos meus
Vou ficar para sempre neste tempo
Eu vou, vou conseguir para-lo
Vou conseguir para-lo

Vou conseguir

Adeus
Não afastes os teus olhos dos meus
Vou ficar para sempre neste tempo
Eu vou conseguir para-lo
Eu vou conseguir guarda-lo
Eu vou conseguir ficar.

!?

"¿Dímelo por que estas fuera de mi?
Y al mismo tiempo estas muy dentro
Dímelo sin hablar y hazme sentir todo lo que yo ya siento..."


Natal.

Dou comigo a desejar que o Natal chegue depressa, mas assim que chega vai perdendo o brilho, porque sinto que está prestes a terminar... Este ano, tal como no ano passado volto para casa do meu padrinho, é sempre tudo como ele quer, é sempre lá e há sempre berros ao jantar porque os meus primos não comem o bacalhau e como é tradição não dão carne aos filhos, o que na minha perspectiva está mal, porque só facilitava o ambiente, mas parece que o ambiente se revela normal só perante a sonoridade de um bom berro e se este tarda em chegar, sim porque vem de certeza, a "gente" estranha de tal forma que tudo isto já está entranhado em mim. Por isso, mais um ano em que não faço doces, mais um ano em que só vejo os outros a comer e por isso mais um ano em que espero a hora de jantar e vou de pantunfas para casa do meu padrinho brincar com os meus primos, porque ainda é o que se faz de melhor nesse ambiente. Não vos vou mentir e dizer que não gosto de lá passar o Natal, pois eu ADORO…

No ai faibe, sempre há algo de jeito...

Quando se ama alguém tem-se sempre tempo para essa pessoa.
E se ela não vem ter connosco, nós esperamos.
O verbo esperar torna-se tão imperativo como o verbo respirar.
O amor na espera ensina-nos a ver o futuro, a desejá-lo e a organizar tudo para que ele seja possível.
É mais fácil esperar do que desistir.
É mais fácil desejar do que esquecer.
É mais fácil sonhar do que perder.
E para quem vive asonhar, é muito mais fácil viver...

Retirado de um ai faibe qualquer...

Apresento-vos a Laura...

Já era para vos falar da Laura há muitos dias, mas mesmo assim, algo me fez declinar e recear apresentar-vos alguém que só eu conheço. Num belo dia de sol de Inverno, daqueles que mal existem hoje em dia, que nos aquece a alma e mal nos toca no corpo surgiu-me na consciência com um breve e doce sorriso de quem não quer ser tímida, mas inevitavelmente, não deixa de o ser... Apareceu-me vestida de calças pretas bem justas e de salto alto preto de agulha, mas de cinta para cima estava envolvida com um casaco destes da moda, típico da Mango (acho eu...), de gola bem alta e revirada para fora, bem cintado na cinta, de um verde bastante vivo, daqueles que eu não vestia por nada, ainda me confundiam com um tapete de grama daqueles sintécticos que é preciso aproximarmo-nos para termos a certeza se é verdadeiro ou não. Pois bem, os cabelos castanhos claros pelos ombros e uns olhos verdes que faziam-me refazer o que tinha pensado sobre o casaco, porque casava lindamente com o brilho do seu ol…

ILU.

A cada dia que passa, sou mais e mais e mais feliz... Das-me tanto amor que quando te dou o meu em retorno mal noto, tal é a doçura dos movimentos com que me envolves... Enrosca-te a mim, no meu peito, entrelaça a tua mão na minha e vamos juntos olhar na mesma direcção e sermos felizes...

1 ano, 7 meses e 7 dias extremamente felizes...


A T SEMPRE & P SEMPRE!

Dedos.

Digam-me só quem é que quando está sozinho, não põe o dedo no nariz???
E não é fixe tirar de lá um belo de um cacaranho? :)

Ámor sobre o azul.

Gostava de ter outro tempo, que me fossem dadas as oportunidades que nunca tive, que falasses o que nunca me disseste e que me amasses de uma forma como nunca penssases vir a amar... Que pensasses que todo o tempo que passas comigo é muito pouco e que quando dormisses comigo mal sonhavas para me ver a dormir e finalmente o teu vazio desaparecia... Que me olhasses nos olhos com sentimentos verdadeiros, que procurasses a minha mão no vazio como o Lucius Hunt procura a mão da Ivy Walker, pedias-me para me silenciar porque eu não falo de mais, é diferente, eu é que nunca me calo... E contavas-me o que sempre guardaste para ti, os teus olhos pediam-me desculpa eu mais que rendida aos teus encantos ficava junto de ti e antes de a lágrima te adoçar o terno olhar recomeçavamos do ponto em que ficámos... Mas nada acontece só porque quero, tens de querer e tens de me merecer...

Mas acho que não te quero
e tu não me mereces.

Luta por mim.

Maria Inês

I'm sorry.

And I'm hearing what you say,
But I just can't make a sound,
You tell me that you need me,

I take another chance,
Take a fall, take a shot for you,
I need you like a heart needs a beat,

Loved you with the fire red,
Now it's turning blue, and you said...
Sorry like the angel,
Heaven let me think was you,
But I'm afraid...


Linda, linda, linda...

Dói mas dói devagar...

Dói...
Quando não te tenho, quando o abraço que dou é no vazio e aperto somente o ar, preferia o vácuo, assim como preferia saber que não existes... Mas existes e este abraço que dou é em falso, eu é que sinto com os pulmões como a prova existencial de que existir, realmente o ar existe, eu é que não o vejo. Incapacidades humanas que todos nós temos, mas só apelidamos os outros de deficientes. Pois bem, a perfeição não existe, insistem também em continuar a chamar de paraíso a países de paisagens lindas de morrer, mas onde só se vêm as estâncias e os resortes e se exclama com extremo de eufemismo metaforiano: "São de 5 estrelas e mais..." Mas a fome que os habitantes passam, as terras não cultivadas porque é só argila e rocha e sei lá eu se a mineralização não rossa nesses sítios os 99%. Mas não, qual quê... Só conseguem olhar aos pratos repletos de frutas, com animações em forma de animais, de casas, carros, preservativos... Mas e o que sobra vai para o lixo e achamos nós tu…

Há tantas pessoas especiais...

É só isso
Não tem mais jeito
Acabou, boa sorte
Não tenho o que dizer
São só palavras
E o que eu sinto
Não mudará

Tudo o que quer me dar
É demais
É pesado
Não há paz

Tudo o que quer de mim
Irreais
Expectativas
Desleais

Mesmo, se segure
Quero que se cure
Dessa pessoa
Que o aconselha

Há um desencontro
Veja por esse ponto
Há tantas pessoas especiais...


É por estas e por outras que acredito que na simplicidade
está o segredo da felicidade...

Computadores...

Nesta última semana o meu computador foi limpo! Perdi tudo do portátil, fotos, memórias, cheiros, porque pelos vistos, teve mesmo de o ser... Fiquei com o portátil como novo, o pc azul de miha casa está um mimo e a net já funciona, porque pelos vistos às vezes é preciso perder para se ter tudo como deve ser...
Conclusão, fiz update nos pcs e a mim mesma, tempos passados são passado, vivo o presente e mesmo nos dias mais escuros tento observar um futuro que desejo ser promissor, mas por vezes confesso que parece uma missão muito difícil! Tive a sensação que precisei de escrever aqui mais do que nunca, mas não o pude fazer, mesmo assim superei o que havia a superar e contínuo coerente a mim mesma, fiel aos meus defeitos e tentando ser sempre "more like me and less like you" by LP.
Mas será o Síndrome de Bolonha que tanto me afecta???
E contínuo sozinha por entre uma multidão desconhecida que todos os dias me é tão familiar... Mas como a solidão que me engole deixa-me ir no escorre…
Juji e Ophelia são felizes.
Aqui fica o meu atributo a eles.

Sigo caminho...

Sigo caminho e deixo-me levar pela brisa do meu mar que me insiste em acompanhar até onde o queira levar comigo. Mas mesmo não o levando, ele que me é tão triste e extremamente só, vai comigo e deixo-o ficar. Molho os pés como de mansinho, não, não entro a correr... Nem eu nem ele sente que o estremeci, que o invadi, mas sim de mansinho para saber que é bem vindo e que eu sempre aqui o quis comigo, mesmo nunca o tendo convidado. Mas a mais de meio, tenho medo... A companhia das ondas torna-se solitária, estão cá apenas para me testar e eu que nunca gostei de ser testada, dou por mim a ser colocada à prova... Os momentos são de uma calma aflição, mas tenho que para comigo, tudo vai correr bem. A água docemente salgada saboreia-me os lábios e eu retribuo, sinto-me envolvida e mais que isso, desarmada. "Mas porque me queres assim indefesa?"Lá de longe, muito longe, responde-me uma sereia que entoa o seu cântico embalado no farol da concha "Só se conhecem as pessoas quando …

Mais uma fixinha, mais uma voltinha.

PESSOAS ASSIM não são nada fáceis de encontrar...
Mas momentos assím, dizer que são únicos é muito, mas muito pouco para tão boa gente...
SEM PALAVRAS!

CCL.

Gostei de estar aqui contigo.
Gostei do que sorri contigo.
Gostei do que aqui vivi contigo.
Mas acima de tudo...
Amei conhecer-te!

Flores.

Flores.
Para mim, a flor mais bela é o amor-perfeito. Não sei se pela sua fragilidade, se pela sua singela aparência ou se pelo seu nome tão ternurento, que me faz pensar que a flor é o simbolismo da relação. Pois pensando bem, e deixando-me de eufemismos, as rosas já estão mais que banalizadas. Mas em todos os sentidos! Vou à Florista e ela responde-me logo que o mais barato são as rosas e todos as levam, as rosas já com a alegria distante do olhar com os tempos de glória na caixa de veludo do passado e vê-se a ser levada por certos vínculos sociais, numa de "despachar a coisa" quando muito simplesmente, ou o indivíduo não sabe qual a flor preferida dela, e a rosa lá vai porque é o que se costuma dar, ou então ela lá lhe responde que é a flor que mais gosta porque vê que é o que todas recebem. Pois bem, eu não gosto de rosas. E em todos os sentidos. Têm espinhos, mal têm cheiro, são rijas e as folhas têm picos, etc. etc. etc. Só há uma rosa digna de se lhe tirar o chapéu: a …

Para ti meu amor...

"André, daqui a uns 10 anos pedes-me em casamento ou vou ter de ser eu?"

6 de Agosto de 1945.

R. de Hiroshima
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.


R. de Hiroshima é um poema de Vinícius de Moraes que foi tornado música pelo grupo Secos e Molhados.

13.11.07

1 ano e 6 meses.
De estórias vividas a dois, mas nenhuma contada.
De muitos sorrisos e de algum choro.
De semelhanças imensas e muitas diferenças.
Muito olhar trocado e entendido, como só nós sabemos fazer...
Mas acima de tudo...
Muita cumplicidade e muito, muito amor!





AMO-TE MUITO, não tenho receio, muito menos medo de tu dizer.
A T SEMPRE & P SEMPRE!

Canção VIII.

Se Amor determinasse
que, a troco desta vida,
de mim qualquer memória
ficasse, como história
que de uns fermosos olhos fosse lida,
a vida e alegria
por tão doce memória trocaria.
Mas este fingimento,
por minha dura sorte,
com falsas esperanças me convida.
Não cuide o pensamento
que pode achar na morte
o que não pôde achar tão longa vida.
Está já tão perdida
a minha confiança
que, de desesperado
em ver meu triste estado,
também da morte perco a esperança.
Mas oh! que, se algum dia
desesperar pudesse, viveria.

E foi assim que te fui conhecendo...

Espelho meu, espelho meu... Qual o preferido di eu?

Agora é o Atonement, mas primeiro foi o Pride and Prejudice...
Ai ai ai ai...
Ó Keira, assim não vale...

Fazes-me falta...

Tristeza.
Porque nos dias em que quero sair ou ninguém quer sair ou não podem.
Porque me canso de sentir o tempo a passar e poucas são as coisas felizes que ficam para contar...
E porque começo a sentir-me só...

Penedo da saudade.

Se bem te recordas, escrevi a nossa estória com esferográfica azul na mão... Rabiscava as datas, mas sempre muito atenta ao texto de cada dia, porque o tempo, esse cada coração tem o seu. Mesmo assim, pouco ou nada ligaste, porque já mais que envolvido nas tuas mentiras tu estavas e eu não era nada mais que uma mera e simples conquista que te lembraste que tinhas de ter... Pena o tempo que o meu coração levou a perceber aquilo que a cabeça teimava em dizer, repetir e berrar a uns ouvidos que não estavam para me avisar... Pois bem, se me tiveste ou não, acho que isso nem eu sei e tu muito menos o sentiste, mas aqui te digo, que nos locais onde me fizeste muito, mas muito feliz, sei eu hoje e sinto-o muito bem cá no fundo do meu peito que são os locais que me fazem viver um pedaço da tristeza mais profunda que existe. E se ficas feliz por me teres feito feliz, entristece-te depressa porque lembranças boas de ti é coisa que não tenho. Este é o sítio onde acabou o que hoje desejo que nun…

JP II.

"Quando o corpo é profundamente atingido pela doença, reduzido à incapacidade, quando a pessoa humana se encontra à beira da imposibilidade de viver e de agir, a maturidade interior e a grandeza espiritual tornam-se então mais evidentes e constituem uma lição comovente para quem goza de uma saúde normal."

Tempo.

Quando num romance a meio livro lido e menos de meio por imaginar, porque pouco falta para o resto se saber, leio que "(...) quando tu não estás, o tempo passa muito mais devagar.", mas eu divago. Divago sim, na parte em que quando tu estás, o tempo que nos é um desavergonhado, foge-nos. E nós que estamos tão entretidos um com o outro, nem por ele damos conta e quando reparamos nele o já é tarde de mais, aproxima-se abruptamente de nós. Mas não nos desentrelaçamos, apertas-me mais um bocadinho e eu que sou fraca de braços deixo-me aninhar no teu peito que sempre, tão simpatica e carinhosamente, me acolheu. Mas no amar, assim como o só sei fazer do meu jeito, fraca, tento não o ser, mas piquinina, sempre serei, não é meu amor? Por um lado, claramente, que me completas, por outro lado, obviamente, que a estar longe de ti... Que sejam raras as vezes, porque sabemos que isto é inevitável e vai acontecer... Mas que seja sempre do género "Olha, vou ali e já volto, tá?" …

MLK.

"O que me preocupa não é o grito dos violentos... é o silêncio dos bons."

Saber e sabor.

Há coisas que nos fazem muita confusão, mas ultimamente, existe uma coisa, essa sim, que me anda a fazer imensa, mas imensa confusão... Porque será que muito boa gente [e má também] que não tem receio de se expor e tudo quanto é acontecimento, ou melhor, tudo quanto participam e fazem ou deixam de fazer aparece logo no belo, badalado e já há muito tempo, FOLEIRO ai faibe?
É só chegar lá, clicar num nome e pronto... Com um bocado de tempo sabe-se onde passou as férias, que fez ontem, que bebedeiras apanhou, que figuras tristes fez, onde jantou hoje... SOCORRO! Privacidade significa algo? Ou é aquele egoncentrismo e aquela ânsia de vingar no meio social estabelecendo-se aqueles grupinhos pirosos como os da secundária em que para se entrar no grupo tem de haver um mínimo de requisitos, como sair à noite, faltar às aulas ou dormir nas mesmas e depois ainda ser mal educado? Porra. A sério, não é que cada um não possa fazer o que quer e bem lhe apetece, porque isso também eu faço e sou apol…

Fotografia.

E assim como o negativo permite a revelação de uma fotografia, eu pego no que mais de positivo tenho em mim e como as cargas já são em si opostas e abençoadas pelas belas Leis da Física que adorava entender melhor e sabe-las quase de cor, eu revelo-me a ti e só a ti meu amor. Que o nosso filme de slides seja feito por nós e que envolva todos aqueles que amamos, que nos são importantes e muito, muito especiais e que daqui a muitos, muitos, muitos e longoooooooooooooooooooooooos anos sejamos nós a revelar o NOSSO filme envolvidos pelos braços dos nossos bebés que a meio de cada slide e de meio em meio minuto nos perguntam "O qui é ito?" E nós [com aquela paciência que só os pais estremosos como os nossos têm] vamos contanto pedacinho a pedacinho de estória, revelando todos os permenores e sorrindo mais do que da última vez. Porque a última vez, já lá vai, já passou. Eu estou aqui para ti e tu bem sabes que sim, assim como eu sei muito bem que tu sempre estiveste e sempre estar…

HPC.

Sinto muita falta do voluntariado no Hospital Pediátrico de Coimbra. Gostava de saber como está o Henrique, o Francisco, o Fábio, a minha Inês... Mas se Deus quiser, se os voltar a encontrar, não hade ser lá. Este ano está demorado para recomeçar, confesso que sinto falta daquelas horas... No outro dia fui dar com a t-shirt que nos identifica pelos corredores do Hospital impaciente para sair do armário, porque queria ir para lá brincar com os meninos. É com cada uma que me acontece. Se der um bocadinho de mim a alguém que está muito necessitado, sem querer e sem o incentivar, recebo muito, mas muito mais em troca.

Dolce vita.

E mesmo que a vida por vezes seja muito pouco doce, não deixa de ser muito, mas muito agradável um despertar num novo dia com um despertador ausente, quando acordamos cedinho, mas por nós mesmos e ao abrir a janela é um sol lindo e baixinho, característico de um Inverno que já não existe, que nos presenteia com um bom dia daqueles galantes e repletos de charme, tal como uma bela caneca de leite com Nesquik morninho pela manhã com uma pão de manteiga e fiambre que ainda lembro a minha avó preparar para levar para a escola e deliciava-me à meia-manhã, quando não era logo pelo caminho para a escola. Fui habituada a ir sozinha para a escola e assim me habituei a ir sozinha para a faculdade, talvez daí estranhar quando a companhia existe, facto que muito sinceramente, não me entristece. Mas será por ser filha única e estar mais que habituada a umas paredes brancas como companheiras? Sinceramente, não sei. Mas, e nas minhas pequenas estórias existe sempre um mas, gostava e gosto de andar so…

Amor quase perfeito.

"Quase que não chegava
A tempo de me deliciar
Quase que não chegava
A horas de te abraçar
Quase que não recebia
A prenda prometida
Quase que não devia
Existir tal companhia

Se um beijo é quase perfeito
Perdidos num rio sem leito
Que dirá se o tempo nos der
O tempo a que temos direito

Se um dia um anjo fizer
A seta bater-te no peito
Se um dia o diabo quiser

Faremos o crime perfeito."

Traje.

E vestes-te assim... Eu não gosto de me vestir assim, mas tu gostas... Gostas e ficas muito, mas muito bem... A barba fica saliente, os lábios ficam ainda mais fininhos e bem coradinhos e os teus olhos brilham de um azul em nada comum... Mas se tu assim não ficas, ou achas que não ficas, sou eu que assim te vejo com a minha doçura a roçar no ponto de caramelo, ou será antes de rebuçado? Mas é verdade e bem o sabes, que o que mais gosto no teu traje é a tua capa... Sim!!! A capa! Lembras quando tudo começou? Ainda há pouco falamos nisso. Um beijo a medo muito depois de muitas, muitas, muitas, muitas perguntas como "Tens muito frio? Podes ir aqui comigo na minha capa..." Mas confesso que o que mais gosto ainda é de sermos dois debaixo da tua capa. Não que sejas o batman do século XXI a testar um polímero na vez da curriqueira licra no colan, mas és o meu tudo, és o meu Ying se eu for o Yang e isso tu sabe-lo bem, só espero que no nosso Tao tu o sintas como eu o sinto e que tu …

Diferenças.

E não me venham com estórias a dizer que não, que não é bem assim e coiso e tal...

Devagarinho.

Devagarinho cá vou indo... Parece-me que meia só pela multidão que me acompanha eu vou seguindo os teus passos, mas lembrei agora que não foste tu que me deixaste para trás... Disso tu não és capaz. Bem sei que fui eu que preferi ver-te daqui de trás. Fui eu que para trás dos teus passos ficou, para, assim ao de leve, vislumbrar o que resta de ti, a parte que me falta apoderar de ti com a doçura que me acusas de tantas vezes nunca largar... Mas será que assim é mesmo? Cá no fundo dos nossos corações que à cerca de ano e meio em unissono batém, cá entre nós que ninguém me ouve, eu acho que já se habituaram a não morar sozinhos. E a meio destes meus pensamentos interrompes-me... Voltas-te para mim, tocas-me no cabelo e aquele friosinho que sinto na barriga só vem de ti meu doce, só de ti e por causa de ti eu acho, mas nada te digo, mas o meu olhar que à muito não me obdece, revela-te o que penso, o que sinto e o que sei, mas sem medos e sem beijos prometidos, porque todos são e foram …

Coração partido.

Ya lo ves, que no hay dos sin tres,
Que la vida va y viene y que no se detiene
Y, que se yo,
Pero mientene aunque sea, dime que algo queda
Entre nosotros dos, que en tu habitacion
Nunca sale el sol, ni existe el tiempo,
Ni el dolor.

Parceiro.

Tenho a meu lado uma pessoa comum para todos os outros, mas para mim é o meu amor perfeito. Sim, tal como a flor... Tem muitas cores, consoante o humor e a tonalidade da roupa que escolhe, mas acima de tudo tem a mim muito amor... Daqueles que quando se está sozinho roemo-nos de inveja por não ter um parecido, porque igual a este... Igual a este ninguém tem, só eu... Mas guardo-te no meu coração da melhor forma que consigo e sei... Guardo-te como nunca ninguém guardei e assumo que já amei muito, muito mesmo, mas da forma empreendededora, despreocupada, feliz, carinhosa,doce, azul, bonita e alegre como eu te amo, isso confesso que guardei só para ti...

Hoje é um dia feliz!

Hoje é um dia feliz! Sim é mesmo um dia feliz. Porque finalmente hoje descubri que não me importo com o que os outros pensam ou deixam de pensar de mim, nem com o que dizem ou deixam de dizer... Ponto final, parágrafo.
Para mim tanto me faz... la ra la lala... É ME INDIFERENTE!

Algarismos.

Assim como em Lost se procura a razão de ser de todo o enredo ser instigado com a presença indesejável destes belos números, também a nossa existência é assolada por números que nos são de todo desagradáveis. Se não vejamos...
Primeiro o que nos assola o pensamento? Quantos anos teremos de vida? Não sei, talvez... Mas é um número, certo? Mas antes de alinhavar este ponto, porque não lhe quero dar nó cego, nem coisa que se pareça, porquê um dia ter 24h quando nos parece sempre pouco tempo para tudo aquilo que temos de fazer? Mas... Logo de seguida vêm as horas de sono que quando são de mais, sentimos que nada fazemos e quando são menos que poucas, parece que nem dormir pudemos! Mas o mais engraçado é que desde muito pequeninos que nos falam da importância vital da Matemática, da importânica dos números e das contas, mas que acontece de seguida? Quase que nos esquecemos de multiplicar tudo aquilo que existe de melhor em nós e todos procupados vamos a correr para apanhar o pedaço que…
A T SEMPRE & PARA SEMPRE!

Confesso.

Confesso.
Confesso que dizer algo sobre mim própria, mesmo seja o que for, é uma tarefa ingrata...
Se digo demasiado bem, acham-me convencida, se digo mal, não acreditam. E se não sei que responder... Então aí, está o caldo entornado... Não é por não me conhecer, é talvez, por mal saber o peso bem medido que a modéstia deve ter! Mas convenhamos... Quando são os outros a falar, uma coisinha chamada "elogio" vem ao de cima, como uma bola de ping-pong vem lá do fundo do mar e então aí sim!!! O sorriso deixa de ser grande e passa a ser brilhante, a amizade deixa de ser doce e passa a ser bela e a vida... A vida leva-nos de encontro a nós mesmos, não de encontro com o nosso reflexo, mas de encontro à nossa identidade.
Talvez venha daí o meu prazer quando me chamam Diogo. Sinto sempre que chamam pelo ser que abita esta carcaça e não pelo rosto que esperam ver a um palmo dos seus.
Mas também sempre ouvi dizer que quem amamos nunca morre. Mas eu acredito que quem amamos nunca está lo…
Às vezes, no silêncio da noite.
Eu fico imaginando nós dois.
Eu fico ali sonhando acordado, juntando...
O antes, o agora e o depois.

Por que você me deixa tão solto?
Por que você não cola em mim?
Tô me sentindo muito sozinho!
Não sou nem quero ser o seu dono.
É que um carinho às vezes cai bem.
Eu tenho meus desejos e planos secretos.
Só abro pra você mais ninguém.
Por que você me esquece e some?
E se eu me interessar por alguém?
E se ela, de repente, me ganha?
Quando a gente gosta. É claro que a gente cuida.
Fala que me ama.
Só que é da boca pra fora.
Ou você me engana.
Ou não está madura.
Onde está você agora?

Sonho de infânia, sonho de adolescente e sonho de mulher tornado realidade.

Soltar-me de mim mesma...

Preciso de escrever... De me soltar de mim mesma...Parece que vivo alojada em alguem que gostava de ser e não como sou... Choro tão facilmente e apelidam-me de forte! Tenho 1.62m e sou tão piquinina. Gosto de rock, mas tem de ser rock fofo... Mas que se passará? E depois dou comigo a desejar não o que nunca tive mas o que já vivi e que receio não voltar a viver... Sim, confesso que relembro mais vezes do que queria quando estive contigo bem lá no cimo do teu lote e a comer bolachas olhamos na mesma direcção e vimos uma ponte já sem luzes acesas, mas nem por isso menos bela... E aí sim, confesso que te senti mais meu do que nunca... Mas como em tudo na vida, tudo passa e isso também passou, assim como o meu grande amor por ti. Acredita que só ouve uma coisa que me magoou... Sim, só uma. Foi termos tido um início. Sim, porque o nosso início foi a tua primeira e a maior mentira de sempre. E sabes porque ainda hoje te escrevo assim aqui distante? Porque insistes em lançares-me olhares int…

Tic-tac.

Um dos muitos que amava ter!

Blue.

E bem no alto dos meus sonhos e dos meus desejos é bom ter-te ao meu lado... É mais que bom ver nos teus olhos o azul límpido que o céu inveja não ter e mesmo o meu pote mágico das bolachas contigo partilhar porque és tu e só tu que me adoças o meu dia-a-dia... E digo mais, ter um gatinho só nosso não é sonho... Vai ser realidade! Mas amanhã vamos ter o Caetano Veloso a cantar para nós e na "Sozinho" contigo vou estar e ao teu ouvido sussurrar palavras tanta vez ouvidas e a seguir...

Amiga é nome comum, onsa é um animal. Como chamar a quem nos chama ambos???

Ás vezes confesso que acho que o melhor era o mundo virar ao contrário e virar de uma vez por todas... Sim, virar ao contrário, mas não do avesso. Virar para o lado certo! Para o lado esquerdo que é o lado do coração, para o lado em que as pessoas agem com boas intensões e não por pura maldade... Quando os amigos são sempre amigos, quando a palavra que sai da bocas deles é de conforto, de carinho e de apoio e nunca a tratar mal. Pensamos que o degrau está lá, que na subida ele continua lá e afinal... Até desces e a pique porque o degrau não te falhou, ele nunca esteve lá e voltas para baixo, do local de partida quando até às vezes levas é um belo pontapé no rabo, para não falar de biqueiros que esses vêm só de mulheres ou não?... Ainda eu não vou falar de flores, ainda bem que não sou florista! (...) Porque nunca perdemos quem nunca realmente tivemos, o que acontece é que pensamos ser donos das coisas, que tudo nos pertence que controlamos tudo em nosso redor e quando menos esperamos …

Coração doce.

Encontrei esta foto, como acho que todos nós encontramos a maioria das coisas que nos preenchem a vida. Quando procuramos algo e não sabemos o quê. Mas afinal é a cabeça que ainda não o sabe, porque o coração, esse, soube-o logo desde o início. Então mal a vi, o coração [fez o seu trabalho como até hoje o tem feito pois mantém-se como único relógio no qual eu suporto o barulho do seu constante tique-taque] fez desta vez um tique-taque diferente. Sim. Foi, docemente, diferente. Quantas são as pessoas que têm um coração de pedra? Serão mais as que têm um coração de manteiga? Não sei... Mas quem terá um coração, terrivelmente, doce? Daqueles corações em que nem é preciso nem mais, nem menos. Está perfeito tal como ele é. Aqueles que sem dificuldade alguma ficam em ponto de rebuçado com sabor de morango. Amava que o meu fosse assim... Terrivelmente doce, daqueles impossíveis de se não gostar.