Pular para o conteúdo principal

Aprendi a não bater de frente com quem só entende o que lhe convém.

Ia eu devagarinho,
Ou seguía de passo apressado?
Com a certeza de quem sabe o rumo do seu caminho.
E ignora o peso do fado. 

Sonhei, delineei planos, tracei metas.
Engoli angústias, senti o peso das derrotas.
Quis levar gente comigo,
Quis ter pessoas ao meu abrigo, 
Mas há quem só saiba o dedo apontar e facilmente dizer:
"Eu não consigo!"

Mas...
Para conseguir, é preciso tentar!
Para vencer, alguém tem de perder!
Para conquistar, há quem se dá por vencido!
Para morrer, é simples - basta estar vivo.

Mesmo assim, há quem vivo - mais morto esteja...
Que no desatino do não querer,
confunde-se com o não conseguir.
Tudo teve, tudo perde, 
só fica o silêncio de quem cansado
espera pela reviravolta.

E a algures na vida (há ensinamentos que demoram a aparecer),
aprende-se a não bater de frente
com quem só entende o que lhe convém. 
Porque a vida não é o depenica de pétalas do bem e mal-me-quer. 
Triste aquele que não sabe ver a sorte que tem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

La La Land (porra para o amor).

Cidade das estrelas
Luzes da ribalta
Um palco cheio de luz
Uma plateia repleta
aplausos infindáveis.

Cai o pano.
Os sons ecoam apenas na minha memória.
O brilho e o esplendor é só fachada
Quando a porta oclui
Há muito que oculta
O silêncio engole-me.
E eu não aprendi a cuspir.

Sobro eu, o meu lápis
As folhas que em breve já não estarão em branco
Há ideias, muitos sonhos e demais ilusões
Há uma cabeça cheia de tudo
E um peito sem nada.

Há uma melodia maravilhosa no ar
E eu não tenho a quem dar o braço para dançar.
Sou só eu e um sonho persistente
Tudo venci, tudo ultrapassei
Foi persistência dizem uns e não teimosia.

Louca, perdida e assustada,
Só agora perto do fim
Sei que tudo o que tenho e escolhi
Não vale nada.

Civismo e bom senso.

Hoje presenciei um ligeiro acidente. Estava a chover, já passava das 17h, era de noite. Ia a correr e na direção oposta, alguém trava em cima da passadeira e o de trás bate-lhe. Instintivamente, rodo a cabeça no momento do estrondo, o condutor (alegado sinistrado) está a sair do automóvel a gritar com o condutor que lhe bateu e não mais de dez segundos depois sai a filha do primeiro condutor do banco de trás e agarra-se ao pai com medo, mas medo de que ele se passe da cabeça e comece uma cena de pancadaria. A mãe é a última a sair e nada faz, nada diz.   Se aquele acidente colocou em risco de vida a menina? A mim pareceu-me que não, mas como disse, rodei o rosto com o som do impacto. Pareceu e parece-me que era tudo apenas um grande aborrecimento. Realço que condeno a atitude do primeiro condutor. O pior podia ter acontecido assim que a menina saiu disparada do carro.  Se existisse civismo e bom-senso, em primeiro aquele pai não teria dito o asneiredo que disse, muito menos batido co…